... É só clicar no titulo do Blog, ( Em casa de poeta, o importante é sonhar!) que ele disponibiliza todo o conteúdo. Eu, acho que vale a pena. Acho também que a troca seria perfeita se deixassem um comentário, eu adoraria! Mara Araujo





segunda-feira, 9 de novembro de 2009


Reentrâncias

Espaços desocupados onde crescem plantas carnívoras e demência, no cotidiano dos atos. Último rio, na varredura dos dias, um quebrar de asas... Reentrâncias, águas milenares, cheias de eternidade, de gestos carregados na convulsão dos instantes, onde tudo é tarde demais, é ordinário e feroz. Olhos pedintes à frente dos ossos, da carne, como quem parte, como quem sorri, como quem morre, querendo tudo de novo... Apenas mais uma vez

Um comentário:

Brilho da Lua disse...

Diz-se que não devemos tentar interpretar uma poema. Apenas senti-lo.
E este me faz sentir que a confusão de sentimentos, vontades e desejos quase violentam uma alma.

Aryane Brilho da Lua :.