... É só clicar no titulo do Blog, ( Em casa de poeta, o importante é sonhar!) que ele disponibiliza todo o conteúdo. Eu, acho que vale a pena. Acho também que a troca seria perfeita se deixassem um comentário, eu adoraria! Mara Araujo





domingo, 28 de setembro de 2008


Alento


Que eu não tenha que morrer calada, dentro dessa pequenez que por vezes me entristece e me avaria as ideias. Que eu consiga dar o máximo que possuo e que é tão pouco dentro das urgências necessárias. Que a minha alegria alardeada, contamine bocas tristes e secas que não falam de amor, e sentem dores mortais. Que a minha ânsia de vida revelada, meus sentimentos escancarados, não sejam em vão. Que o meu amor vire semente plantada no fundo da terra, criando raízes profundas e renasça suprindo carências inóspitas. Que inunde, contamine almas. Que essa minha felicidade quase infantil brilhe cada dia mais em meus olhos, espalhando estrelas flamejantes em olhares abatidos e contaminados pela descrença, do Divino em nós. Ah meu Deus! Que tudo o que vivi, que cresci que aprendi, tudo o que senti tão intensamente, não se perca em algum canto no meu passado, pois nascerei novamente amanha, em algum lugar...

Um comentário:

Matilde disse...

Mara,
de todos os teus belos poemas - onde se sente a seiva das palavras, as autênticas emoções, os sonhos e as vivências deixo aqui - exactamente neste poema o tanto que ele me tocou!

és um ser Escritor-Poeta DE LETRA MAIUSCULA.
Para quê os rótulos?
se tuas palavras são carne do teu sangue a latejar?

Saúdo-te
com admiração
LuizaCaetano